Oil States planeja abrir nova fábrica no país em 2018


Márcio Robles, CEO da Oil States no Brasil ( Divulgação ).


Planta no Rio de Janeiro produzirá desde guindastes a equipamentos submarinos, conta o CEO da companhia.
A Oil States planeja inaugurar em 2018 sua nova fábrica no Brasil. Localizada em Santa
Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, a planta será projetada para fabricar qualquer linha
de produtos da companhia, entre os quais estão guindastes, conectores de poços e
sistemas de conexão de dutos submarinos, como PLETs, PLEMs e manifolds. O
investimento total é de R$ 90 milhões.
O portifólio ainda incluirá juntas flexíveis (flexjoints), equipamentos que já foram
fornecidos pela Oil States para grandes projetos da Petrobras no pré-sal, como Lula e
Sapinhoá, com as epecistas Saipem e Subsea 7, respectivamente. A solução também foi
utilizada pela Allseas no gasoduto Rota 3, que ligará o cluster da Bacia de Santos ao
Comperj, em Itaboraí (RJ).
“Acreditamos que haverá mais espaço para essa tecnologia em empreendimentos futuros”,
prevê o CEO da empresa no Brasil, Márcio Robles. “Estamos nos dedicando muito para
atender aos desafios de Libra”, assinala.
Outra linha que também poderá ser fabricada em Santa Cruz é a de risers dual bore. A Oil
States aguarda a aprovação de um contrato de três anos (+2) para serviços de intervenção,
armazenagem, preservação e manutenção desses equipamentos pela Petrobras.
Com cerca de 100 funcionários no país, a empresa possui um escritório central na Barra da
Tijuca, bairro da Zona Oeste carioca, onde ficam as equipes de desenvolvimento de
negócios e gerenciamento de projetos; um escritório comercial no Centro do Rio e uma
unidade de serviços em Macaé (RJ), onde também são feitas pequenas fabricações.
Robles conta que a Oil States tem planos de construir uma nova planta de after-market no
município, à medida que as atividades de E&P no país forem se recuperando – por
enquanto, o terreno adquirido para instalação da unidade está “adormercido”.
“Acreditamos muito no potencial do Brasil, tanto em temos de onshore como offshore”, afirma o executivo, que
considera positivas para a indústria as últimas mudanças regulatórias no setor, bem como o anúncio de programas como o
Reate, de revitalização das atividades terrestres.
Inspeção e reparo No início de agosto, a Oil States adquiriu a MR Inspection (MRI), detentora de tecnologia de inspeção de risers de
perfuração a bordo de sondas ou em áreas remotas. O objetivo é reduzir os custos dos operadores relacionados à logística dos
equipamentos, com novos métodos de inspeção – combinando automação e robótica – para otimizar as operações.
Um dos focos da aquisição é o pré-sal brasileiro, que, em função da alta concentração de contaminantes como H2S
(ácido sulfídrico) e CO2 (gás carbônico), exige especial atenção à garantia de integridade e extensão da vida útil de equipamentos.


* Fonte Brasil Energia